Detalhe de um vitral da Capela da UFPR depois do restauro mais recente, concluído em 2014. Fotos: Ana Assunção

Antes de ser maestro do Coro da UFPR, em 1984, Álvaro Nadolny foi seminarista e, apesar de não ter se tornado padre, a fé católica permaneceu. Daí seu interesse na Capela da UFPR, que frequenta desde os tempos de estudante de Música, entre os anos de 1977 e 1982. Instalada no térreo do Edifício Dom Pedro I, a capela é considerada por Nadolny um lugar especial para ensaios musicais, por conta da “acústica fantástica”. Quando universitário, contudo, o que o atraía no espaço eram as oportunidades de debater questões religiosas com professores, uma vez que muitos deles eram sacerdotes católicos — os antigos catedráticos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, fundada por padres maristas.

Um professor de Filosofia, em especial, costumava receber alunos com frequência para pequenas palestras: o padre Diniz Mikosz, falecido em setembro de 2018. “Ele chegava de improviso no intervalo das aulas e falava com os alunos por cerca de meia hora ou quarenta minutos sobre quaisquer temas que quisessem”, conta Nadolny.

“Uma vez, um aluno perguntou a ele sobre o celibato dos padres, o porquê de existir. Lembro que o padre não fugiu da resposta, mas não me recordo dela, só de ter achado a pergunta ousada”.

A Capela da UFPR foi projetada pelo engenheiro e arquiteto Rubens Meister, especialista em acústica, um indício de que, desde o início, planejava-se que fosse um ambiente não só religioso, mas também musical. A justificativa para a instalação da capela no prédio federal é, porém, possivelmente mais tradicional. Tratava-se de uma praxe ainda forte nos 1960 (quando um censo identificou que mais de 93% dos brasileiros eram católicos) e de um estreitamento de laços bastante corriqueiro entre governos e a Igreja.

GALERIA | 60 anos do Complexo Reitoria: Conheça os vitrais de cores raras e únicas da Capela
Capela foi projetada por Rubens Meister para receber boa iluminação durante o dia
Vitrais artesanais marcam a capela instalada no Edifício Dom Pedro I desde o projeto original, inaugurado no fim dos anos 1950
previous arrow
next arrow
Capela foi projetada por Rubens Meister para receber boa iluminação durante o dia
Vitrais artesanais marcam a capela instalada no Edifício Dom Pedro I desde o projeto original, inaugurado no fim dos anos 1950
previous arrow
next arrow
 

Um exemplo forte disso está em Brasília, inaugurada em abril de 1960, onde existem capelas no Palácio da Alvorada, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, além da Catedral Metropolitana, na Esplanada dos Ministérios — a despeito de o arquiteto que desenhou os edifícios da cidade, Oscar Niemeyer, ter sido ateu confesso. O texto da publicação oficial que registrou a reabertura da capela do Senado, em abril de 2001, dá ideia das motivações desses espaços ao afirmar que ela seria “destinada a orações e atos religiosos dos servidores e parlamentares da Casa” (1).

Contudo, a Capela da UFPR tem pequenos tesouros que tornam sua criação uma peculiaridade para o Edifício Dom Pedro I. Um deles é a escultura da Virgem de Carmo, uma imagem de resina trazida da Espanha. O outro são os vitrais com a representação da via crúcis de Jesus Cristo, que o mostram no trajeto do pretório ao calvário.

O vitral foi construído pelo ateliê Vitrais Conrado, fundado em São Paulo pelo alemão Conrado Sorgenicht em 1888 e que alcançou notoriedade ao elaborar projetos em prédios públicos, igrejas e teatros, entre eles o Municipal de São Paulo.

Rubens Meister concebeu os vitrais como parte essencial do projeto arquitetônico da capela; foram pensados para proporcionar diferentes tipos de iluminação, que varia conforme a hora do dia e a incidência solar. O conjunto da capela — bancos de madeira, altar de pedra e sacristia — abrangem cerca de 110 metros quadrados do térreo do edifício, que tem pouco mais de 836 metros quadrados. O projeto original incluía elevações para o altar e o coro, que acabaram demolidas. Além da área interna, a capela foi projetada para ter um pequeno hall, com banheiros sob a rampa do prédio e uma área coberta nos fundos, voltada para a Rua XV de Novembro (2).

Talvez pelas mudanças nos perfis dos professores — a partir da década de 1990, quando ocorreu uma série de aposentadorias de docentes mais antigos — e dos alunos da universidade, a capela permaneceu subutilizada durante um período longo.

A bem da verdade, mesmo Nadolny lembra do comentário corrente entre os seus colegas já nos anos 1980: “é lugar de velório”.

O porteiro aposentado José Barcelar de Azevedo, que trabalhou e morou no Edifício Dom Pedro I entre 1993 e 2017, conta que os velórios eram realmente o principal motivo para que fosse convocado a abrir a capela, em geral de madrugada. O mais longo dos velórios que registrou, segundo consta, durou mais de um dia.

Os desafios da restauração no século seguinte

A soma de abandono e falta de manutenção, da qual a parte mais visível eram vidros quebrados nos vitrais que dão para a Rua General Carneiro, levou a um plano da administração da universidade para restaurar a capela, em 2012. A ideia era que a capela integrasse o projeto Corredor Cultural, que propunha levar atividades culturais também ao Teatro da Reitoria e ao Prédio Histórico. Assim, a capela se tornaria oficialmente um espaço híbrido, capaz de abrigar de cerimônias religiosas a eventos como concertos, recitais e apresentações de corais.

No projeto, a arquiteta Neuza Noguchi Machuca destacou a importância da participação das entidades de patrimônio histórico do Paraná no processo, uma vez que o conjunto de edifícios da Reitoria — o Dom Pedro I e o Dom Pedro II — são tombados pelo Estado (2).

A reinauguração da capela ocorreu em 2014. O restauro dos vitrais era um ponto crítico do projeto, mas também uma oportunidade de analisar a fundo uma estrutura característica e original da capela. Os vidros foram mapeados e avaliados — etapa importante para que a substituição dos materiais garantisse a preservação da concepção da obra. Foi possível constatar, por exemplo, que a marquise projetada por Meister havia ajudado a resguardar as cores dos vitrais.

A vidreira Loire Nissen, que coordenou a restauração, conta ter se surpreendido com aspectos dos vitrais, entre os quais o tamanho dos vidros, que tinham lados com 1,24 metro, e a forma artesanal com que alguns deles foram produzidos. Eram os “legítimos vidros catedrais”, produzidos por sopro.

“A retirada dos painéis foi trabalhosa e perigosa, pelo tamanho, peso e delicadeza do vitral. Muitos transeuntes paravam para conversar. Eram pessoas de fora da universidade, algumas que frequentavam as missas. Todas empolgadas com o restauro”, conta.

As cores que produzem a iluminação mutante da capela também ficaram na lembrança de Loire. “Algumas cores me chamaram a atenção: o azul noite, que não é mais fabricado, e tons de âmbar esverdeado, que eu nunca tinha visto”, lembra.

Este conteúdo faz parte do livreto “60 Anos do Complexo Reitoria”, publicado em 2018 por meio de uma parceria entre a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec) da UFPR e a Editora UFPR.
Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *