Atenção: temas referentes à pandemia de Covid-19 precisam ser contextualizados de acordo com a data de publicação da reportagem.

Pesquisadores do Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) identificaram 2,7% de indivíduos infectados com o novo coronavírus (Sars-CoV-2) no último mutirão para testagem de pessoas assintomáticas, ocorrido em novembro. O percentual de axsintomáticos tem aumentado a cada nova rodada de testes, que estão sendo promovidas periodicamente para professores, alunos, técnicos administrativos e funcionários terceirizados da universidade.

Até o momento, foram realizados quatro mutirões de testagem para assintomáticos. Os dois primeiros eventos, em que poucas pessoas compareceram, não tiveram nenhum caso positivo de infecção pelo vírus. Já nos últimos dois episódios, um número maior de pessoas participou, o que repercutiu no aumento de resultados positivos. A terceira rodada testou 535 indivíduos, dos quais 7 estavam contaminados, e na última, realizada no dia 24 de novembro, dos 1275 testados, 34 apresentavam-se positivos mesmo sem sintomas clássicos da infecção.

“A última é uma taxa bastante alta de pessoas que estão contaminadas com o vírus, mas não apresentam nenhum sintoma e podem transmitir para outros indivíduos”

Daniela Fiori Gradia, professora do Departamento de Genética da UFPR e coordenadora da pesquisa

A coordenadora da ação, professora Daniela Fiori Gradia, do Departamento de Genética da UFPR, compara os resultados obtidos nos assintomáticos com os dos testes em pessoas que apresentam sintomas, feitos em outro projeto paralelo. “Nos sintomáticos, a taxa de positivos gira em torno de 30%. Nas coletas dos assintomáticos, tivemos 0% nas primeiras avaliações. Esse percentual saltou para 1,3% na terceira coleta e alcançou 2,7% no último mutirão. É uma taxa bastante alta de pessoas que estão contaminadas com o vírus, mas não apresentam nenhum sintoma e podem transmitir para outros indivíduos”.

Os testes que estão realizados são do tipo RT–PCR, que detecta o material genético do vírus. Porém o procedimento adotado nesse estudo é o de coleta de saliva e não por meio de swab nasal. “Além do fato de essa técnica não ser tão invasiva, o sistema é de auto coleta por parte dos participantes. Isso diminui muito o risco para a equipe que trabalha no projeto, já que não há contato direto com as secreções dos indivíduos”, explica Daniela.

Por que testar assintomáticos?

São agrupadas cinco amostras por vez, no sistema pool, que são submetidas a um único teste simultâneo. Quando o resultado da mistura é negativo, significa que todas as amostras daquele grupo não estão infectadas. Se o resultado for positivo, quer dizer que uma ou mais amostras estão infectadas. Nesse caso, elas são testadas novamente, de forma individual, para detectar quais são as infectadas. “A proposta tem a finalidade de reduzir custos com insumos e ganhar tempo”, afirma a professora.

A testagem de assintomáticos possibilita identificar pessoas contaminadas e orientar para o isolamento social, medida que diminui a disseminação do vírus em ambientes que a pessoa continuaria circulando.

Mutirões buscam identificar, na comunidade da UFPR, todos os contaminados por Sars-Cov-2 que precisam de isolamento social. Testes de assintomáticos são hoje lacuna na saúde pública

“Além disso, o sistema estadual de testagem não contempla os indivíduos assintomáticos. Como não há essa identificação, eles não são isolados. Assim, estamos contribuindo para reduzir o número de indivíduos infectados circulando pela cidade”, esclarece Daniela.

O objetivo é manter uma rotina frequente para testar membros da comunidade universitária sem sintomas que estejam transitando pela UFPR. Essa ação permite identificar potenciais transmissores do vírus, promover o isolamento desses indivíduos e testar aqueles que entraram em contato com as pessoas contaminadas.

Mutirões de coleta abertos a assintomáticos continuarão

Os testes fazem parte de um estudo, coordenado pelos laboratórios de Imunogenética e Histocompatibilidade (Ligh) e de Citogenética Humana e Oncogenética (LabCho), para identificar indivíduos contaminados e propiciar o isolamento, como medida para evitar propagação da doença e contaminação de outras pessoas. Cerca de 80% da população que é infectada pelo novo coronavírus não apresenta sintomas.

Atualmente, a equipe conta com apenas 12 pessoas. A coordenadora reforça a importância e a necessidade de voluntários nessa ação. “Professores e alunos de pós-graduação voluntários são essenciais principalmente nos momentos anteriores e posteriores à realização do exame, como as etapas de coleta, envio de laudos e orientação aos participantes”.

Nova rodada de testes com pessoas assintomáticas acontecerá na próxima terça-feira (8), no Centro Politécnico. Poderão participar alunos, docentes, técnicos administrativos e funcionários terceirizados da UFPR. Mais informações e um formulário que deve ser preenchido pelos interessados serão disponibilizados em breve.

Aqueles que possuem sintomas e desejam realizar o exame podem conferir as orientações disponíveis aqui.

Publicado originalmente no Portal da UFPR (www.ufpr.br).
Tags:

Comentários de

  1. Boa noite! É só ir ao Centro Politécnico no dia? Em qual horário? Minha filha não pode fazer também? Sou técnica administrativa, enfermeira aposentada. Tivemos contato com positivado na terça feira, dia 11.

    1. Olá, Marilene, boa noite! Como informamos na resposta ao comentário abaixo, as orientações sobre as testagens em questão têm sido divulgadas pelo Setor de Ciências Biológicas (www.facebook.com/blufpr) e pelo Portal da UFPR (www.ufpr.br). Os cadastros têm sido feitos por formulários on-line que são divulgados com alguma antecedência. Até mais! 😊

    1. Olá, Milena, boa tarde! O site Ciência UFPR é voltado à divulgação científica para um público amplo, externo, com foco nas informações sobre as pesquisas e na produção de conhecimento, não necessariamente de serviços para a comunidade interna da UFPR. As informações sobre as testagens em questão que têm esse fim, de serviço, são divulgadas pelo Setor de Ciências Biológicas (www.facebook.com/blufpr) e pelo Portal da UFPR (www.ufpr.br). Agradecemos a participação! Siga as nossas redes sociais (https://www.facebook.com/cienciaufproficial e https://twitter.com/cienciaufpr). Feliz ano novo! 😊

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.