BOLETIM UFPR | Como a ciência ajuda a impulsionar a produção de lúpulo no Brasil

A cerveja é muito apreciada no Brasil seja nos bares, eventos sociais, festas ou shows a bebida é geralmente a mais consumida. O setor representa cerca de 2,1% do PIB nacional, movimentando em 2021, segundo relatório divulgado pelo Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv), mais de 200 bilhões de reais. O levantamento mostrou ainda que, no mesmo ano, o consumo subiu 7,7% atingindo a marca de 14,3 bilhões de litros, mesmo diante de um contexto marcado por restrições devido à pandemia de covid-19.

O volume da produção também caminha próximo a esses números, o que coloca o país em terceiro lugar entre os produtores, perdendo apenas para os Estados Unidos e China. Apesar disso, ainda não somos autossuficientes na produção de todas as matérias-primas utilizadas nessa indústria. De todas elas, o lúpulo é a que mais precisamos importar, a planta é responsável por dar o gosto amargo à bebida e é indispensável em qualquer boa cerveja.

O lúpulo é uma trepadeira perene com origem na Europa, com um ciclo de produção entre 12 e 15 anos, a parte utilizada na produção de cerveja é a flor, que aparece na forma de pequenos cachos de cor verde clara. Com propriedades bactericidas, foi utilizada originalmente para evitar que a cerveja sofresse algum tipo de contaminação, mas devido ao seu sabor característico se tornou componente indispensável na receita.

A produção nacional do lúpulo vem ganhando força, tendo seu volume mais do que dobrado em 2021, quando atingiu 24 toneladas, mas isso é apenas uma mínima parcela da demanda pelo produto. No mesmo ano as importações de lúpulo chegaram a 4.712 toneladas, segundo informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

GALERIA | Da muda à cervejaria, veja imagens das pesquisas sobre lúpulo
A multiplicação das mudas em laboratório acontece em ambiente asséptico e controlado para evitar contaminação. Fotos e vídeo: Virgínia Guimarães/Multiagro Mudas
Pesquisadora utiliza lupa para observar muda de lúpulo desenvolvida no laboratório
A retirada do meristema, parte utilizada para desenvolver as novas mudas, é feita com o auxílio de equipamentos
Produção em grande quantidade e garantia de qualidade são diferenciais do método de cultura de tecidos
Pesquisadoras avaliam desenvolvimento das mudas de lúpulo no laboratório
Com a multiplicação exponencial das mudas, é possível suprir a demanda gerada pelo crescente interesse dos produtores nos últimos anos
O Grupo de Estudos e Pesquisa em Lúpulo (Lupa) do Setor Palotina UFPR testa variedades de lúpulo que se adaptam melhor ao clima brasileiro. Foto: Arquivo LUPA/UFPR
O projeto Lupa/UFPR está testando atualmente cinco cultivares de lúpulo, o objetivo é avaliar qual se adapta melhor ao clima do oeste paranaense. Foto: arquivo Lupa/UFPR
Lúpulo em fase de produção na área experimental do Setor Palotina. As flores da trepadeira, que nascem em cachos pendentes, dão o gosto amargo característico da cerveja. Foto: arquivo Lupa/UFPR
Projeto já realizou duas colheitas de lúpulo, a utilização do produto fresco tem interessado produtores de cervejas artesanais devido à maior qualidade. Foto: Lupa/UFPR
A cerveja produzida no projeto serve para avaliar a qualidade do lúpulo e fomentar o desenvolvimento de novos produtos. Foto: arquivo Lupa/UFPR.
previous arrow
next arrow
A multiplicação das mudas em laboratório acontece em ambiente asséptico e controlado para evitar contaminação. Fotos e vídeo: Virgínia Guimarães/Multiagro Mudas
Pesquisadora utiliza lupa para observar muda de lúpulo desenvolvida no laboratório
A retirada do meristema, parte utilizada para desenvolver as novas mudas, é feita com o auxílio de equipamentos
Produção em grande quantidade e garantia de qualidade são diferenciais do método de cultura de tecidos
Pesquisadoras avaliam desenvolvimento das mudas de lúpulo no laboratório
Com a multiplicação exponencial das mudas, é possível suprir a demanda gerada pelo crescente interesse dos produtores nos últimos anos
O Grupo de Estudos e Pesquisa em Lúpulo (Lupa) do Setor Palotina UFPR testa variedades de lúpulo que se adaptam melhor ao clima brasileiro. Foto: Arquivo LUPA/UFPR
O projeto Lupa/UFPR está testando atualmente cinco cultivares de lúpulo, o objetivo é avaliar qual se adapta melhor ao clima do oeste paranaense. Foto: arquivo Lupa/UFPR
Lúpulo em fase de produção na área experimental do Setor Palotina. As flores da trepadeira, que nascem em cachos pendentes, dão o gosto amargo característico da cerveja. Foto: arquivo Lupa/UFPR
Projeto já realizou duas colheitas de lúpulo, a utilização do produto fresco tem interessado produtores de cervejas artesanais devido à maior qualidade. Foto: Lupa/UFPR
A cerveja produzida no projeto serve para avaliar a qualidade do lúpulo e fomentar o desenvolvimento de novos produtos. Foto: arquivo Lupa/UFPR.
previous arrow
next arrow
 

Algumas dificuldades iniciais para produzir o lúpulo no Brasil geraram alguns mitos em torno da planta, como a de que ele não floresceria por aqui, o que explica o baixo interesse pelos produtores até recentemente. O mais provável é que os problemas sejam derivados de cultivares mal adaptados, técnicas inadequadas de cultivo e ataque de doenças, mas essa realidade vem mudando como explica a pesquisadora Mariana Franca.

“O estigma de que o lúpulo não floresce em terras brasileiras já caiu e desde então, a demanda por mudas da cultura têm aumentado ano após ano. No último ano houve um crescimento de mais de 100% em área plantada, porém o cultivo ainda é pequeno em relação a demanda”.

A demanda por mudas de qualidade é um dos principais gargalos no setor, esse foi um dos motivos de Franca, em parceria com a pesquisadora Laudiane Zanella, começar a investir na pesquisa para produção de mudas de lúpulo. Ainda no mestrado, no Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal da UFPR, as duas já realizavam pesquisas voltadas à cultura de tecidos focadas na produção de pinus e cana de açúcar.

Em 2020 elas resolveram abrir a Multiagro Mudas para que pudessem oferecer aos produtores o que haviam aprendido em suas pesquisas.

“Durante todos estes anos de mestrado e doutorado, entendemos como a cultura de tecidos pode ser benéfica para a produção de mudas, aprendemos e aprimoramos diversas técnicas do cultivo in vitro. Em vários países a produção de mudas em laboratório já acontece, vimos que poderíamos ampliar o uso desta tecnologia para a agricultura nacional”.

A empresa trabalha a partir de problemas apresentados pelos produtores, desenvolvendo soluções específicas, tendo elaborado projetos na produção de menta, cana-de-açúcar, lúpulo, batata, orquídeas e banana.

Como é a produção via micropropagação?

Para o lúpulo as pesquisadoras aplicaram a técnica de cultivo de tecidos chamada cultura de meristema. Franca explica que essa tecnologia “permite a produção de mudas em larga escala com rastreabilidade, uniformidade e alta qualidade, reduzindo a incidência de pragas e doenças nos plantios”.

Segundo Zanella, o método proporciona ainda o rejuvenescimento do material genético, o que “possibilita que a planta adulta seja revertida para o estado juvenil, promovendo melhora no vigor, enraizamento e brotações”.

Mudas mulltiplicadas pela técnica de cultura de tecidos crescem no laboratório da Multiagro Mudas. a empresa incubada na UFPR desenvolve métodos para produção em grande quantidade com garantia de qualidade e livre de doenças

A técnica consiste na retirada de uma pequena parte de uma planta mãe, mais especificamente do meristema, tecido responsável pelo crescimento das plantas e que tem células em constante processo de multiplicação, essas células têm a capacidade de formar qualquer tipo de tecido da planta.

O material posteriormente é regenerado em laboratório utilizando técnicas específicas, o que gera uma nova planta geneticamente idêntica à original. O processo pode ser repetido a partir da nova planta o que proporciona uma multiplicação em escala exponencial. As pesquisadoras explicam que assim são produzidas milhares de mudas idênticas e saudáveis em um curto período de temo e em espaço reduzido.

A aplicação da técnica para a produção de lúpulo se justifica por algumas dificuldades como a garantia de qualidade fitossanitária das plantas, garantindo que não estejam contaminadas. Doenças causadas por vírus, bactérias e fungos são eliminadas das plantas por meio dessa técnica, explicam as pesquisadoras. Outra vantagem é o controle genético, já que as novas mudas serão idênticas à planta original, um cultivar cuidadosamente selecionado para garantir boa produção e adaptação ao clima local.

A produção convencional de mudas de lúpulo ocorre por estaquia, que consiste em formar uma nova planta a partir de um ramo que é estimulado a enraizar, mesmo que se aplique técnicas para diminuir a chance de contaminação é muito comum que doenças passem para as novas plantas.

“Alguns métodos são utilizados para controle no cultivo convencional, como a termoterapia, mas são pouco eficientes. Este tipo de contágio é recorrente em diferentes culturas como cana-de-açúcar, batata, banana e lúpulo. No caso do lúpulo, as viroses e doenças fúngicas de importância econômica, podem ser propagadas por meio da produção convencional de mudas. Um caso é o míldio, que pode não se manifestar nas mudas, ou seja, não apresentar sintomas, porém no campo é responsável por grandes perdas. Este é um dos principais patógenos do lúpulo”, explica Franca.

Já no caso da micropropagação, como é chamado o método, diferentes técnicas são aplicadas para a limpeza da planta. “Neste processo, retiramos um pequeno fragmento da planta e fazemos a sua regeneração in vitro. Como todo este processo é realizado em laboratório, em ambiente asséptico e com auxílio de lupa, conseguimos alcançar o meristema da planta, uma região de intensa multiplicação e que apresenta baixa quantidade de patógenos” descreve Zanella. Esse método pioneiro na produção comercial de mudas de lúpulo garante que as mudas não terão nenhuma doença.

Empresa contou com apoio da Agência de Inovação da UFPR

Para as pesquisadoras foi fundamental o apoio obtido da universidade. Elas participaram de uma iniciativa de incubação de empresas da Agência de Inovação da UFPR. Elas explicam que a possibilidade de se manter próximo à pesquisa, junto a professores, alunos e pós-graduandos foi uma grande oportunidade. A empresa mantém também uma parceria com a Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Sucroenergético (Ridesa/UFPR) que auxiliou no licenciamento e autorização de mudas de novos cultivares de cana-de-açúcar desenvolvidos na universidade, outra área de atuação da empresa.

O processo de incubação de empresas tecnológicas visa facilitar que produtos e serviços desenvolvidos a partir de pesquisas na universidade sejam disponibilizados mais facilmente à sociedade. Com a incubação a empresa tem a acesso espaços compartilhados para suas atividades, capacitações em áreas como gestão, marketing e design além de consultorias na área jurídica e contábil, além de um suporte para realizar a abertura e manutenção da empresa.

Maico de Ornelas, que faz parte da equipe gestora da incubação tecnológica da Agência de Inovação, explica que também é oferecido acesso a editais de fomento e intermediação com possíveis investidores.

Adaptação do lúpulo ao clima brasileiro é foco de pesquisa em Palotina

Melhorar a adaptação e as técnicas de cultivo para o clima brasileiro é outro desafio para o aumento da produção do lúpulo nacional. Segundo o professor Alessandro Jefferson Sato, devido a alta demanda é difícil o país se tornar autossuficiente no curto prazo, mas o produto nacional pode ser inserido no mercado como um diferencial, devido à possibilidade de utilizar um produto recém colhido, que apresenta maior qualidade.

Sato é supervisor do Grupo de Estudos e Pesquisa em Lúpulo da UFPR (Lupa), projeto do Setor Palotina que realiza estudos agronômicos, de manejo sustentáveis de pragas e doenças e de desenvolvimento de produtos a partir do lúpulo, abrangendo além das cervejas, produção de óleos essenciais e produtos cosméticos.

Muda de lúpulo cresce na área de plantio experimental do Grupo de Estudos e Pesquisa em Lúpulo (Lupa) do Setor Palotina da UFPR. Desenvolver variedades mais adaptadas ao clima brasileiro é um dos desafios para aumentar a produção no país. Foto: arquivo Lupa/UFPR

O grupo de pesquisadores conta com uma área de cultivo experimental, onde diversas técnicas e variedades de lúpulo são testadas.

“Atualmente são cultivadas na área experimental cinco variedades de lúpulo conduzidas em diferentes sistemas de condução e com complementação artificial de luz e irrigação por gotejamento”, explica Sato.

Segundo o pesquisador, muitos produtores de lúpulo simplesmente replicam o manejo que acontece na Europa o que nem sempre traz bons resultados. As pesquisas na área experimental já vêm mostrando bons resultados.

“Foram realizadas 2 colheitas de lúpulo e verificou-se que existem cultivares com muito potencial para serem cultivadas no Brasil, inclusive foram elaboradas algumas cervejas que foram muito bem avaliadas por especialistas do setor cervejeiro. Os resultados foram apresentados no Congresso Nacional de Lúpulos e no embralúpulo” comenta Sato.

O crescimento do setor de cervejas artesanais tem também aumentado a demanda pelo produto fresco, segundo Sato. O grupo comemorou este ano o lançamento de uma cerveja feita com 100% de lúpulo paranaense. Batizada de “Pouso do Quinto”, a nova marca utilizou o produto proveniente da área da UFPR e do Sítio Lúpulo São José, localizado em Toledo, mesma cidade da empresa Luputecnia, que foi parceira no desenvolvimento da cerveja.

O grupo, que conta ainda com parcerias com a Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade do Estado de Santa Catarina, Ambev e produtores da região, avalia que para aumentar a produção é necessário que os produtores conheçam e se envolvam mais com o cultivo da planta, além de apresentar a qualidade do produto nacional para a indústria cervejeira.

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *